Ultimamente muito tem se falado em Open Banking, mas você sabe o que isso significa? Apesar de o termo estar em alta na internet, nos telejornais e nas propagandas, ele ainda causa muitas dúvidas.

E, se assim como milhares de brasileiros você ainda não sabe como esse novo sistema vai mudar o seu relacionamento com as instituições financeiras e vice-versa, acompanhe o artigo a seguir. Nele, o PegaDesconto reuniu as melhores informações sobre esse sistema revolucionário, que promete originar produtos e serviços financeiros mais atrativos aos consumidores.

Afinal, o que é Open Banking?

Conforme o próprio nome sugere, Open Banking significa “banco aberto”, ou ainda, “sistema financeiro aberto”. De acordo com o Banco Central do Brasil, trata-se do compartilhamento de dados de clientes entre diferentes instituições financeiras, bem como a movimentação das suas contas bancárias em diferentes plataformas.

Assustador? Pode até ser em um primeiro momento, mas não se preocupe. Em primeiro lugar porque essa “portabilidade de dados” só pode ser feita com a sua autorização expressa. Em segundo lugar porque tudo isso é feito com tecnologias que possibilitam a criação de um ambiente seguro para o compartilhamento dessas informações.

A boa notícia é que todos podem se beneficiar com o novo sistema financeiro. Tanto pessoas físicas quanto jurídicas que possuem contas bancárias e/ou produtos e serviços financeiros podem solicitar o compartilhamento de dados entre as instituições de sua escolha.

Qual é a finalidade do Open Banking?

O principal objetivo do sistema financeiro aberto é estimular a concorrência entre instituições financeiras, fazendo com que elas ofereçam produtos e serviços mais atrativos para o consumidor. E isso é possível graças ao compartilhamento de dados.

Ao terem acesso às suas informações financeiras, como solicitações de empréstimo, de cartões de crédito entre outros serviços, os bancos, fintechs e demais instituições financeiras passam a ser capazes de oferecer produtos com melhores custos-benefícios do mercado. E isso não significa apenas produtos mais baratos, mas sim produtos que melhor atendem as suas necessidades.

E por falar em fintechs, conheça os 8 melhores bancos digitais da atualidade.

O que muda?

Atualmente, o banco em que você tem conta é detentor dos seus dados financeiros. Isso significa barreiras para a obtenção de crédito e serviços em outros bancos, já que estes não têm como saber se você é um bom pagador ou não. Ou seja, você acaba ficando preso a uma instituição bancária e consequentemente às suas altas taxas e tarifas.

Já com o Open Banking isso não existe. Por meio do compartilhamento de informações, as instituições autorizadas terão acesso ao seu histórico financeiro. Assim, poderão oferecer pacotes de serviços, opções de crédito entre outros produtos com tarifas mais atraentes para o seu perfil de consumidor.

Mas não apenas isso. O novo sistema também vai permitir que você escolha com qual instituição deseja contratar um determinando produto ou serviço financeiro. Na prática, é como se você pudesse montar o seu próprio banco: será possível solicitar um cartão de crédito sem anuidade em banco A, pegar um empréstimo com taxas mais atrativas no banco B e investir o seu dinheiro no banco C, por exemplo.

Vantagens do Open Banking

Open Banking possibilita o oferecimento de cartões de crédito sem anuidade, empréstimos por melhores taxas entre outras vantagens
Open Banking possibilita o oferecimento de cartões de crédito sem anuidade, empréstimos com taxas mais atrativas entre outras vantagens. Fonte: Freepik

É claro que a transparência no uso de dados financeiros por outras instituições é uma das principais vantagens do Open Banking. Com o novo sistema, o cliente escolhe com qual instituição financeira deseja compartilhar seus dados e o banco em que tem conta deverá confirmar se realmente foi ele quem fez a solicitação.

Após o consentimento do processo por parte do cliente, o banco detentor dos dados fornece as informações a outra instituição financeira e os dois passam a compartilhar o seu histórico financeiro. Ou seja, o cliente passa a ter maior controle sobre os seus dados.

Mas muito se engana quem acredita que essa é a única vantagem do sistema financeiro aberto. Pelo contrário! O Open Banking traz consigo outros benefícios econômicos que de igual maneira merecem a nossa consideração:

  • Redução de custos e tarifas bancárias;
  • Surgimento de produtos financeiros personalizados, que melhor atendem as necessidades dos clientes;
  • Mais acesso a serviços financeiros, como empréstimos e financiamentos;
  • Mais rapidez na contratação de produtos e serviços financeiros;
  • Sistema em conformidade com a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), que institui normas de segurança contra vazamento de dados e fraudes.

Vale a pena destacar que você pode compartilhar dados como a movimentação da sua conta corrente, empréstimos realizados, limites de crédito, produtos e serviços contratados entre outros. E para cada grupo de dados será necessário o seu consentimento para que o compartilhamento seja feito entre instituições financeiras diferentes.

Etapas de implementação

O Open Banking está acontecendo em 4 fases, que devem estar totalmente implementadas até o final de 2021. De acordo com o site Open Banking Brasil, elas são compostas por:

Primeira fase

A primeira fase, iniciada em 01 de fevereiro de 2020, não contou com o compartilhamento de dados dos clientes. Nessa fase, foram listadas as instituições financeiras participantes do sistema aberto, produtos e serviços ofertados ao consumidor, bem como seus canais de atendimento.

Segunda fase

A fase 2 do Open Banking iniciou no dia 13 de agosto e movimentou os principais canais de comunicação do país. Nessa fase, o cliente pode solicitar o compartilhamento de dados entre instituições diferentes, como dados pessoais, endereço e informações de transações financeiras realizadas.

Terceira fase

Já na terceira fase, prevista para acontecer a partir do dia 30 de agosto, os clientes poderão ter acesso a propostas de crédito de outras instituições e poderão realizar pagamentos fora do aplicativo ou site do banco em que têm conta.

Quarta fase

A fase final, com previsão de implementação a partir de 15 de dezembro, permitirá que o cliente compartilhe dados de produtos e serviços, como investimentos, seguros, operações de câmbio e previdência privada.

Observação: conforme determinação do Banco Central, as instituições financeiras devem garantir o direito às pessoas de cancelaram o compartilhamento de dados a qualquer momento.

Palavra-chave do Open Banking: consentimento

Tenha em mente que o Open Banking está disponível para aqueles que desejam tal serviço. Ou seja, os dados são seus e para haver esse compartilhamento é totalmente necessário que você assim permita.

Entretanto, essa permissão somente deve acontecer entre instituições capazes de garantir a segurança desse compartilhamento, com autenticações entre as partes e mecanismos que visem proteger as informações dos clientes de ataques cibernéticos e fraudes.

Por isso, somente as instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central podem participar do Open Banking, seja nas modalidades obrigatória, voluntária ou de parceria. Em ambos os casos, as instituições devem cumprir rígidas regras de segurança cibernética e de responsabilidades por mau uso e vazamento de dados.

Neste link você confere quais são as instituições financeiras que participam do Open Banking.

E quais são as etapas de autorização do Open Banking?

O Banco Central estipula que as etapas de autorização para o compartilhamento de dados sejam feitas por meio de canais eletrônicos, como caixas automáticos, telefones, aplicativos e sites. Para garantir mais segurança à portabilidade de dados, a autorização se dá por meio de 3 etapas:

  • Consentimento: a manifestação do desejo por parte do cliente de compartilhar o seu histórico financeiro com outras instituições;
  • Autenticação: a verificação, por meio de um ambiente seguro, de que é o próprio cliente que está solicitando o compartilhamento;
  • Confirmação: confirmação final para permissão do compartilhamento entre as instituições solicitadas.

E como funciona o consentimento para as instituições?

As instituições terão acesso apenas aos dados que o você permitiu compartilhar em seu consentimento. Além disso, o acesso a essas informações terão um prazo de validade de 12 meses.

Após esse prazo, será necessário que você faça um novo consentimento para continuar recebendo os melhores serviços e produtos financeiros. Lembre-se de que a regra do open banking é clara: compartilhamento de dados somente com consentimento do cliente.

O PIX e o Open Banking são a mesma coisa?

Embora ambos os serviços façam parte de uma série de inovações propostas pelo Banco Central para facilitar a vida financeira dos brasileiros, eles possuem conceitos e finalidades diferentes.

O PIX é um sistema de pagamento instantâneo, que garante transferências e pagamentos em qualquer hora do dia, mesmo aos finais de semana. E toda essa vantagem apenas usando uma chave definida pelo cliente, que pode ser um CPF, CNPJ, telefone celular ou e-mail.

Contudo, para fazer um PIX ainda é necessário acessar o ambiente do banco em que você tem conta. Já com o Open Banking, você não precisará acessar o canal do seu banco para efetuar o PIX, pois a transação poderá ser feita através de outras instituições financeiras. É claro que o PIX aqui serve de mero exemplo, pois a ideia é que a mesma liberdade e facilidade se estenda a outras formas de transferência e pagamentos, como DOC,TED e boleto, por exemplo.

Como o Open Banking vai facilitar as suas compras online?

Conforme pontuamos anteriormente, a partir do dia 30 de agosto os correntistas e usuários de produtos e serviços financeiros poderão fazer pagamentos via PIX fora do sistema do banco em que possuem conta.

Em outras palavras, isso significa que você não vai mais precisar sair do seu aplicativo de mensagem favorito ou da sua rede social para comprar aquele item que tanto deseja. Na prática, será possível transferir dinheiro através de SMS ou aplicativos como WhatsApp e Telegram. Ou então, fazer transferências do aplicativo do banco A, mas com o saldo de sua conta no banco B.

Isso, por sua vez, vai deixar as compras online ainda mais fáceis e rápidas, porém, mais seguras. É o Sistema Financeiro Nacional sendo progressivamente modernizado para oferecer aos seus usuários maior liberdade e acesso a serviços com os melhores custos-benefícios do mercado!

E você, o que está achando do Open Banking? Está pensando em aderir ao sistema financeiro aberto? Conta para gente nos comentários!

Leia também:

57 Comentários
novos
antigos mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
PegaDesconto